Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

domingo, 22 de maio de 2011

ARMAZÉM DO JAZZ - REALENGO RJ


VAMOS MOSTRAR AQUI VÁRIOS MOVIMENTOS MUSICAIS QUE ACONTECEM NO RIO DE JANEIRO E QUE MERECEM ATENÇÃO ESPECIAL POR LEVAR CULTURA E INFORMAÇÃO A NOSSA GENTE.


ARMAZÉM DO JAZZ - REALENGO - SHOWS COM ENTRADA FRANCA NA RUA DO IMPERADOR 447


             DIA 8 DE JULHO   
Marcos Amorim Trio em Realengo com Entrada franca
http://www.myspace.com/mamorim 
http://www.myspace.com/villarodrigo 
http://www.myspace.com/kimpereiradrum 
Rua do Imperador 447 Realengo Contato 21 87713786 paulo Cesar








                                                                SHOW ANTERIOR


No ano de 2002, um grupo de amigos começou a se reunir para ouvir música na calçada de um antigo armazém em Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O repertório musical dessas reuniões ia de MPB a Jazz, que sempre encerrava as noitadas musicais. Nessas reuniões eram exibidos vídeos e reproduzidos CDs, mas o forte era o velho vinil. Muitos colecionadores vinham de diversos bairros com verdadeiras raridades para exibir no Armazém. Havia até mesmo uma lista com músicas para tocar.

Como a nossa região já tinha a tradição de revelar grandes instrumentistas e de possuir um grande número de adeptos da música instrumental e do jazz, esse movimento ficou conhecido como Armazém do Jazz.

O primeiro show ao vivo aconteceu em 2005, ali mesmo na calçada em frente à rua principal, com o quarteto de Bossa Jazz, No Olho da Rua, do saxofonista Paulo Rego, que saiu de Ipanema para tocar em Realengo. Na realidade, esse movimento é só a continuação de um outro que começou na década de 1970, chamado Segunda Instrumental, comandado por Zé Russo e Luiz Augusto, mais conhecido como Gugu, que são os dois maiores incentivadores dessa cultura musical em nossa região.

Apesar de já ter quase 10 anos de existência e de ser um movimento musical  bem conhecido e conceituado até hoje, ainda não fomos contemplados com nenhum tipo de apoio, sendo o custeio dos eventos bancado pelos membros do Armazém e pelo público que frequenta o local.

A ideia é transformar esse movimento em um projeto cultural, levando a música instrumental às escolas públicas e comunidades da região, além de ministrar cursos de música para a formação de novos instrumentistas; promover a gravação de CDs e DVDs de novas bandas, dando a elas condições básicas pra iniciarem uma trajetória musical e, aproveitando essa estrutura, formar profissionais nas áreas de sonorização e produção de áudio e vídeo. Essas propostas são uma forma de contribuirmos para a formação dos jovens de nossa região.

Estamos abertos a parcerias e à colaboração daqueles que gostam de boa música e desejam incentivar a cultura. Não adianta só reclamar e cobrar essa postura do governo, temos que arregaçar as mangas e contribuir para a divulgação da importância da música no aprendizado de jovens.

Aguardamos a visita de todos vocês em nossas reuniões e shows, sempre com entrada franca.

In 2002, a group of friends started to meet each other to listen to a good music on the sidewalk in front of an old warehouse in Realengo, Western side of Rio de Janeiro.

The repertoire of those meetings ranged from MPB to Jazz, which always closed those nights of music. In those meetings videos were shown and CDs were played, but the old vinyl was the champion. Many collectors came from various districts with rarities to showcase and to play them in the Armazém. Even a list of songs to play was prepared.

Since our region already had a tradition of revealing great musicians, and a large number of fans for the instrumental and jazz music, this movement became known as the Armazém do Jazz (Jazz Warehouse).


The first live gig was in 2005, right there on the sidewalk in front of the main street, with the saxophonist Paul Rego's Bossa Jazz quartet, called No Olho da Rua, which left Ipanema to play in Realengo. Actually, this movement is just a continuation of another one that began in the 1970s, called Mondays Instrumental, led by Zé Russo and Luiz Augusto, also known as Gugu, who are the two biggest supporters of this musical culture in our region.

Although it has almost 10 years of existence and being a musical movement well known and worthy, it has not been awarded with any sort of support or sponsorship, and the costs for every event are always funded by both members of the Armazém and the audience who attends the shows.

The idea is to transform this movement into a cultural project, bringing the instrumental music to public schools and communities in the region, in addition to teach music courses for training new musicians; to record CDs and DVDs for new bands, providing the foundations to start a musical career, and taking advantage of this structure, training professionals for sound and audio and video production industries. These proposals reflect the way we can contribute to the young people's background in our region.

We are open to partnerships and cooperation of those who enjoy good music, and want to encourage the culture. We can not just complain and impose this government's stance, we must roll up our sleeves and contribute to spread the importance of music in the learning of young people.

We look forward to have you all at our meetings and shows, always for free.



5 comentários:

Sergio Martins disse...

Olá meus amigos! Quero parabenizar este blog pelo intuito de divulgar a arte de boa qualidade. Sou morador de Realengo e já curti muito o Armazém do Jazz na rua do Imperador. O som do grupo é formidável!Desejo muito sucesso para este grupo que sabe das carências de nosso bairro e nos oferece música de conteúdo. Obrigado a todos por esse presente; abç!

Vera Pientznauer disse...

Muito prazer Armazém do Jazz! Bom saber de sua existência.
Vou conhecer vc pessoalmente qualquer dia.
Minha torcida por vc é grande e já sou fã.
Vc passou a fazer parte do meu grupo de favoritos.
Obrigada,remo contra a corrente,e tenho força como vc.
bj.

Marlon Garcia disse...

muito boa a proposta de difundir a musica instrumental aqui no rio e especialmente na zona norte onde a boa musica está ficando cada vez mais dificil de ser ouvida.
Parabéns !

Milton Costa disse...

Poxa quanto tempo que não vejo a galera do armazém. Gugu vou aparecer ai hein!fiquei emocionado ao ver o blog. um abraço! Miltão (Bass).

Testamento de Partideiro disse...

ARMAZÉM DO JAZZ

Na droga do mundo atual, nada mais ou poucas coisas temos. Por isso, sempre que possível, temos o dever de honrar a amizade. ‘Mundo mais louco / até mais que eu’. A miséria da Filosofia está colocada. Logo, poucas coisas dão prazer. Poucas coisas juntam prazer e inteligência. Poucas são as coisas capazes de reunir pessoas para o deleite; para o ouvir; para a paz; para o delírio; para o abraço e aperto de mão; para o lazer e descompromisso/compromissado, enfim.
Era mais ou menos assim no Clube da Esquina. Uma vez li no livro do Márcio Borges. Até o Pat Metheny não acreditou que era só uma esquina e foi lá verificar. Aqui, não passa de um armazém, cujo proprietário é um português de nome Emídio. Somando mais que subtraindo, o cara é gente boa.
Aqui, estão reunidos: Gugu, Paulo, Juca, Marcelo, Sérgio, PC, Jorge Duke, Renatão, Luiza, Cal, Robinho, César, Tuninho, José, Cabral, Sônia esposa do Emídio, Magno, Valdir, Tatão, Zé Russo, Serginho, Washington com sua filha Thatiana e esposa Cássia, Rodnei, Sr. Jorge (Russo), Xavier, Marcelo Professor, Sidney, Sérgio Quirino, Jair, Edmundo, Luís, Mário, Josenilton, Macedo, Moisés, Pedrinho Murici, Leonardo e Diogo, Luisinho, Gilson, Sandro Bueno, Carlinhos. Todos num acalorado bate-papo harmônico. E, eis que de repente alguém toca uma melodia, e outra, e outras, das mais puras melodias, aquelas capazes de acalmar os homens, de fazê-los sonhadores e românticos, como um dia havia dito Jorge Amado.
Sons de instrumentos que permitem a cada um a ímpar lembrança. Sonhar seu próprio passado de vida. Ter orgasmo individual e, de certa forma, projetar coletivamente um novo amanhã de homens e mulheres, que numa oitava acima e em tons e semi-tons construam um projeto de vida saudável.
Assim é o ARMAZÉM do JAZZ. Local de encontro com amigos e audição de sons mágicos que deixam ar e mentes mais leves, ‘rarefeitas’. Sábados, que se impõem como condição necessária e suficiente para prosseguir, talvez.

Armazém do Jazz, através de Luciano.
Agosto de 2007.
Posted 21st July 2011 by Testamento de Partideiro

0 Add a comment

Postar um comentário

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates